“Assim como nos preocupamos com o valor nutritivo de nossas refeições diárias, deveríamos igualmente considerar o potencial nutritivo do cardápio psicológico que diariamente servimos à mente”, ensina Paramahansa Yogananda, grande mestre da ciência da Yoga.

Os adolescentes dirão sobre Pokémon GO: “mas é só um jogo”.

Sim, mais um jogo que impedirá que possam observar o céu, os passarinhos que mesmo nas grandes cidades são abundantes, as árvores que variam de cor e frutos a cada estação, e as pessoas ao seu redor.

Mais um jogo para “distraí-los”, não permitindo que, nas pequenas caminhadas, possam se conectar um pouco mais consigo mesmos, refletir sobre o rumo de suas vidas e da sociedade, respirar e ter acesso à sua grandeza interior. Uma grandeza que vai permanecer adormecida pelas redes, jogos, compras e indústria cultural de entretenimento de músicas, vídeos e filmes enlatados.

Sim, mais um jogo que, ao invés de levá-los a simplificar suas necessidades, para serem felizes com o que é essencial da vida, os levará a um maior grau de ansiedade, frustração e agitação mental.

É alarmante o número de jovens que hoje sofre de síndrome do pânico, depressão e até cometem suicídio: muitas vezes por pequenas frustrações, viverem uma vida virtual, que os deixam completamente despreparados para a convivência social, por não terem tido a oportunidade de se conhecerem e aprenderem a lidar com suas emoções.

adolescentes-celular

Saber lidar com as emoções é um trabalho contínuo de desenvolvimento do autocontrole, que só pode ser cultivado no dia a dia, observando-se a si mesmo e suas reações. É necessário estar atento ao que se faz, como se faz, porque se faz.

A dispersão leva à alienação e à infelicidade de não gerir seu próprio destino. As coisas, objetos e acontecimentos governam os “distraídos” sem eles perceberem. A concentração e as práticas contemplativas levam à consciência de si mesmo e da existência, e oferecem a oportunidade de controle do próprio destino, pelo poder da sintonia com o que é essencial e divino na vida.

jovens-natureza

Mas vamos procurar ser otimistas, quem sabe esse jogo, que os faz ir para as ruas, os faça saírem detrás da tela de seus computadores e os faça aprenderem a se relacionar com pessoas ao vivo que, como eles, estão em busca de mais um Pokémon nas ruas da cidade…

Maeve Vida é coordenadora do Programa Omnisciência de Educação para Paz, membro do Conselho da Escola Arte de Ser e da Aliança pela Infância.

Conheça a Coleção Omnisciência de Educação para Paz:
https://goo.gl/XkchZt

Comments

comments