Aproximadamente 50 crianças, de diferentes nacionalidades, reuniram-se no último dia 1 para uma vivência especial: o plantio de árvores nativas da Mata Atlântica no Parque do Rodeio – situado na zona leste da capital paulista. Provenientes da República Democrática do Congo, da Síria, da Jordânia, do Líbano e de Angola, os pequenos estavam animados com esta primeira experiência em solo brasileiro.

E não só eles, mas seus pais e outros adultos que também participaram da iniciativa: “Plantar árvores é uma atitude especial, ainda mais acompanhando crianças e jovens. Toda e qualquer guerra não faz bem e ter um parque como este, no meio da cidade, com muito verde, traz uma sensação de paz e tranquilidade. Isso nos faz olhar para o futuro, não para o passado”, disse a refugiada Salsabil, síria e mãe de uma bebê brasileira que nasceu há dois meses.

Funcionários da prefeitura ajudaram com o preparo do solo e das mudas, além de fornecerem breves explicações sobre misturas e compostagem, algo fundamental para “as plantas crescerem fortes para chegar lá em cima, ficarem bem grandes para nos proteger do sol e da chuva, com ajuda das minhocas e dos insetos para dar flores e frutos”, como descreveu o aluno atento Mohamed, de 10 anos.

A diretora da IKMR (I Know My Rights), que organizou o mutirão, aproveitou o evento para ressaltar a importância dessas crianças terem seus direitos assegurados no futuro: “O que elas precisam é de uma oportunidade, uma chance para poderem se desenvolver e crescer em segurança. Precisam sentir que não perderam o seu lugar neste mundo e que o futuro da humanidade conta com cada uma delas”.

Nada mais simbólico e bonito do que começar esta nova jornada fincando raízes na terra que os acolheu, não é mesmo?

 

Fonte: ACNUR

Comments

comments