O grande encontro aconteceu em agosto de 1935, num vilarejo intitulado Wardha, onde se localizava o ashram do líder pacifista. Dez anos antes, Gandhi havia visitado a Yogoda Satsanga Brahmacharya Vidyalaya, escola secundária com treinamento iogue em Ranchi, Índia, mas ele e Yogananda só estiveram juntos pessoalmente quando em seu eremitério.

Na ocasião, que se estendeu por alguns dias, os mestres conversaram sobre a preocupante situação mundial (estavam à beira da 2ª grande guerra), fizeram orações e refeições juntos, além de Yogananda iniciar Gandhi e alguns de seus discípulos na ciência da Kriya Yoga.

Os detalhes desse episódio podem ser lidos na Autobiografia de um Iogue, mas listamos abaixo alguns trechos do livro:

“O minúsculo santo de 45 quilos irradiava saúde física, mental e espiritual. Seus olhos castanhos suaves brilhavam de inteligência, sinceridade e discernimento; este estadista enfrentara milhares de batalhas legais, sociais e políticas, emergindo vitorioso. Nenhum outro líder no mundo alcançou nicho tão seguro nos corações de seu povo como o que Gandhi ocupa no seio de milhões de iletrados da Índia. O tributo espontâneo que a ele oferecem é o famoso título Mahatma: “grande alma”. Em prol deles unicamente, Gandhi limita sua roupa a uma tanga, mundialmente caricaturada e símbolo de sua unidade com as multidões oprimidas que não podem vestir outra coisa.”

“Na noite anterior, Gandhi manifestara o desejo de receber a Kriya Yoga de Lahiri Mahasaya. Comoveu-me a mentalidade aberta do Mahatma e seu espírito de pesquisa. Ele se parece a um menino em sua divina busca, revelando a pura receptividade que Jesus enalteceu nas crianças: “(…) delas é o reino dos céus”. Chegara a hora de minha prometida instrução; diversos satyagrahis entraram na sala: o Sr. Desai, o Dr. Pingale e alguns outros que desejavam a técnica de Kriya.

Ensinei primeiramente à pequena classe os exercícios Yogoda. Visualiza-se o corpo dividido em 20 partes; a vontade dirige a energia para cada parte, sucessivamente. Logo, todos vibravam à minha frente como motores humanos. Era fácil observar as ondas de energia nas 20 partes do corpo de Gandhi, quase sempre completamente visíveis! Apesar de muito magro, sua aparência não é desagradável; a pele de seu corpo é suave e sem rugas. Depois, iniciei o grupo na técnica libertadora de Kriya Yoga.”

“– É curioso como nos iludimos, imaginando que podemos melhorar o corpo mas que é impossível despertar os poderes ocultos da alma – respondeu Gandhi. – Empenho-me na tentativa de mostrar que, se possuo algum desses poderes, sou um mortal tão frágil como qualquer outro e que nunca houve, nem há agora, nada de extraordinário a meu respeito. Sou um simples indivíduo, sujeito a errar como qualquer companheiro mortal. Entretanto, reconheço que possuo humildade bastante para confessar meus erros e corrigir os passos que dei. Admito que tenho uma fé inalterável em Deus e em Sua bondade, e uma paixão inexaurível pela verdade e pelo amor. Mas não é isso que toda pessoa tem latente em si? – E acrescentou: – Se podemos fazer novas descobertas e invenções no mundo dos fenômenos, precisamos declarar nossa falência no domínio espiritual? Será impossível multiplicar as exceções de modo a torná-las a regra? Precisa o homem, sempre, ser primeiro um bruto e só depois um homem, se chegar a tanto?”

Memorial de Gandhi

Em um templo com paredes abertas, por onde se contempla a majestosa natureza, foi erguido o Gandhi World Peace Memorial, na Self-Realization Fellowship. Um espaço ecumênico em homenagem a Mahatma Gandhi e que possui parte de suas cinzas.

Mahatma Gandhi – in Memoriam

“Ele era o pai da nossa nação no verdadeiro sentido da palavra, e um desvairado o assassinou. Milhões e milhões estão de luto porque a luz se apagou. (…) A luz que brilhou nesta terra não era uma luz comum. Por mil anos essa luz será visível neste país, e o mundo a verá.” Assim falou o primeiro‑ministro da Índia, Jawaharlal Nehru, logo após o assassinato de Mahatma Gandhi em Nova Delhi em 30 de janeiro de 1948.

Cinco meses antes, a Índia alcançara pacificamente a sua independência nacional. Terminara a obra de Gandhi, então com 78 anos; ele sabia que sua hora estava próxima. “Abha, traga-me todos os papéis importantes”, disse ele à sua sobrinha-neta na manhã da tragédia. “Preciso responder hoje. Amanhã talvez seja tarde.” Em numerosos trechos de seus escritos, Gandhi também insinuou que já conhecia seu destino final. Quando, moribundo, o Mahatma caía lentamente ao solo, com três balas em seu corpo frágil e esgotado pelo jejum, ele ergueu as mãos no gesto tradicional de saudação hindu, silenciosamente concedendo o seu perdão. Artista singelo, como foi em todas as circunstâncias de sua vida, Gandhi tornou-se um artista supremo no momento de sua morte. Todos os sacrifícios de sua vida altruísta tornaram possível aquele derradeiro gesto de amor. Albert Einstein, em tributo ao Mahatma, escreveu: “Talvez as gerações vindouras dificilmente acreditarão que alguém como ele, em carne e osso, tenha caminhado um dia sobre a Terra”. Um despacho do Vaticano, de Roma, afirmava: “O assassinato causou grande consternação entre nós. Gandhi é pranteado como um apóstolo das virtudes cristãs”. Férteis em significado simbólico são as vidas de todas as grandes almas que vêm à Terra para cumprir uma justiça

específica. A dramática morte de Gandhi pela causa da unidade indiana realçou sua mensagem para um Mundo dilacerado pela desunião em todos os continentes. Essa mensagem, ele a afirmou em palavras proféticas: “A não-violência veio para o meio dos homens e viverá. Ela é o arauto da paz mundial.”

Autobiografia de um Iogue

Autobiografia de um iogue

Em “Autobiografia de um Iogue”, Paramahansa Yogananda oferece um verdadeiro portal para a compreensão da filosofia indiana narrando sua infância, a peregrinação em busca de seu mestre espiritual, a vida de cada um dos mestres de sua linhagem (Mahavatar Babaji, Lahiri Mahasaya, Sri Yukteswar), a fundação de uma escola baseada nos princípios da ciência da Yoga, sua vinda para a América e uma peregrinação pela Europa e Oriente, onde teve contato com grandes santos e mestres espirituais da época. É também um passo inicial seguro para quem deseja conhecer a ciência da Kriya-Yoga, técnicas científicas avançadas de meditação iogue. Edição completa, editada pela Self-Realization Fellowship, organização espiritual sem fins lucrativos fundada por Paramahansa Yogananda em 1920, com sede internacional nos EUA.
Considerado um best-seller, integrante da lista dos cem maiores livros espirituais já publicados em todo o mundo. É editado há mais de 60 anos, atualmente em quase 30 línguas e é uma das maiores revelações já publicadas no Ocidente sobre as profundezas da mente e do coração hindus e a riqueza espiritual da Ciência da Yoga. Livro de cabeceira de famosos como George Harrison, Steve Jobs, Gilberto Gil, entre outros.

Últimos posts por Blog da Cultura da Paz (exibir todos)

Comments

comments