O livro Assim Falava Paramahansa Yogananda conta algumas conversas pessoais desse mestre com seus discípulos. Ao lê-lo, uma sensação de profunda intimidade sugere que estamos caminhando ao lado do Mestre, perguntando as coisas que gostaríamos de saber. Conheça sete histórias, ou falas inspiradoras, breves e profundas, em que o mestre indiano responde de forma humorada e doce aos discípulos sedentos pela sua sabedoria.

Amor universal

– Por que Deus nos deu famílias se Ele não quer que nosso amor pelos parentes seja maior do que o amor que sentimos pelas outras pessoas? – perguntou um estudante.

– Ao nos colocar em famílias, Deus nos oferece uma oportunidade para superar o egoísmo e ter mais facilidade em pensar nos outros – respondeu o Mestre. – Por meio das amizades, Ele nos oferece uma forma de ampliar ainda mais nossas simpatias. Mesmo isso não é o fim; devemos continuar a expandir nosso amor até que se torne divino, abrangendo todos os seres, em toda parte. De outra maneira, como poderemos alcançar a unidade com Deus, o Pai de todos?

Defeitos alheios

“Não se preocupe com os defeitos alheios”, disse o Mestre. “Use o detergente da sabedoria para manter brilhantes e imaculados os aposentos de sua mente. Por meio de seu exemplo, as outras pessoas se sentirão inspiradas a fazer a limpeza de suas próprias casas.”

A cura permanente

Quando uma estudante adoeceu, Paramahansaji aconselhou-a a procurar um médico. Perguntou-lhe um discípulo: – Mestre, por que o senhor não a curou? – Aqueles que receberam de Deus o poder de curar só o utilizam quando Ele assim o determina – respondeu o Guru. – O Senhor sabe que algumas vezes o sofrimento é necessário para Seus filhos. As pessoas que querem curas divinas deveriam estar dispostas a viver de acordo com as leis de Deus. A cura permanente não é possível se a pessoa continua cometendo os mesmos erros, assim convidando a doença a retornar. A verdadeira cura efetua-se apenas por meio da compreensão espiritual – ele prosseguiu. A ignorância do homem a respeito de sua verdadeira natureza, a alma, é a causa primordial de todos os outros males: físicos, materiais e mentais.

Deus-Pai é o Capital que sustenta a Criação

Explicando a Trindade a um grupo de discípulos, o Mestre utilizou a seguinte analogia:

– Podemos dizer que Deus-Pai, que existe no vazio sem vibrações, para além dos fenômenos, é o Capital, que “sustenta” a criação. O Filho, a Consciência Crística inteligente que permeia o universo, é a Gerência. E o Espírito Santo, o divino poder vibratório invisível que produz todas as formas no cosmos, é a Mão-de-Obra.

Nossas reais necessidades

– Mestre, o senhor nos ensinou a não orar por objetos, mas desejar apenas que Deus Se revele a nós. Nunca deveríamos Lhe pedir para prover uma necessidade particular? – perguntou um discípulo. – Não é errado dizer ao Senhor que queremos algo – respondeu Paramahansaji – porém demonstramos fé muito maior quando dizemos simplesmente: “Pai Celestial, sei que Tu prevês todas as minhas necessidades. Sustenta-me de acordo com a Tua vontade.” Se, por exemplo, um homem ansioso por ter um carro rezar com bastante intensidade, ele o receberá. Mas possuir um carro pode não ser a melhor coisa para ele. Às vezes o Senhor nos nega pequenos desejos porque pretende conceder-nos dádivas maiores. E acrescentou: Confie mais em Deus. Acredite que Aquele que o criou há de sustentá-lo.

Dor onírica

– A vida é um grande sonho de Deus – dizia o Mestre.
– Se é apenas um sonho, por que a dor é tão real? – indagou um estudante.

– Uma cabeça onírica batendo contra uma parede onírica produz uma dor onírica – res- pondeu Paramahansaji. – Quem sonha não percebe o caráter enganoso do sonho até que acorde. De modo semelhante, a pessoa não percebe a natureza ilusória do sonho cósmico da criação até que desperte em Deus.

Diamante recoberto

– É bonito pensar que Deus ama igualmente a todos nós – disse um visitante –, mas parece injusto que Ele se importe tanto com um pecador quanto com um santo.

– Acaso um diamante perde o valor porque está coberto de lama? – replicou o Mestre. – Deus vê a beleza imutável de nossas almas. Ele sabe que não somos nossos erros.

Assim Falava Paramahansa Yogananda

Assim Falava Paramahansa Yogananda é uma compilação das anotações de seus discípulos mais próximos, que por 30 anos conviveram com o guru, diariamente, nos EUA, e resolveram compartilhar com o público em geral um pouco da sabedoria, sutileza e bom humor desse grande mestre espiritual, que veio ao Ocidente com a missão de trazer a técnica científica de meditação da Kriya Yoga.
Esta coleção de conselhos informais do autor de Autobiografia de um Iogue nos oferece um vislumbre pessoal do pensamento de uma das maiores personalidades espirituais do nosso tempo, considerado o Pai da Yoga no Ocidente, por ser o primeiro mestre oriental a trazer, em uma linguagem acessível, a sabedoria dessa milenar ciência hindu. A cada página deste livro, encontra-se refletida a profunda conexão que Paramahansa Yogananda tinha com o Divino e seu amor por toda a humanidade. Encontramos respostas brilhantes, lúcidas e amorosas que ele oferecia a todos que o procuravam em busca de conselhos práticos para o seu autoaprimoramento.
“Quando o espinho da infelicidade se encravar em seu coração, retire-o com a agulha da meditação.” Trecho de Assim Falava Paramahansa Yogananda

 

 

Últimos posts por Blog da Cultura da Paz (exibir todos)

Comments

comments