Uma entrevista com Irmão Brahmananda, monge da Ordem da Self-Realization Fellowship, fundada por Paramahansa Yogananda

A Self-Realization Fellowship (SRF), organização sem fins lucrativos fundada em 1920 por Paramahansa Yogananda, que é amplamente considerado o pai da Yoga no Ocidente, está lançando, em português, o primeiro livro da edição em dois volumes de Deus Fala com Arjuna: O Bhagavad Gita, monumental tradução e comentário de Yogananda da venerada escritura da Índia. Ao explorar as profundidades psicológicas, espirituais e metafísicas do Gita, Yogananda apresenta uma crônica abrangente da jornada da alma para a iluminação e um roteiro profundo e motivador para a vida diária.

A obra, publicada pela primeira vez em inglês em 2001, é um marco na missão de Yogananda de revelar a harmonia fundamental entre a Yoga original e o Cristianismo original. Paramahansa Yogananda, mais conhecido por sua Autobiografia de um Iogue, best-seller permanente desde sua primeira publicação em 1946, trouxe a milhões de pessoas a espiritualidade do Oriente e a sagrada tradição da meditação iogue.

Conte-nos um pouco sobre como o senhor entrou na ordem e sobre a vida monástica.

Li a Autobiografia de um Iogue enquanto cursava direito e logo depois comecei a estudar as Lições da Self-Realization Fellowship, um curso para estudo em casa que apresenta as instruções passo a passo de Paramahansa Yogananda sobre as antigas técnicas iogues de meditação, concentração e energização, incluindo Kriya Yoga. Mais tarde, tomei conhecimento da ordem monástica da SRF. Sendo que a meditação e a vida espiritual haviam se tornado o meu principal interesse, refleti seriamente em pedir permissão para me tornar um monge e, finalmente, fiz isto e fui aceito. Três semanas depois de me diplomar, vim para Los Angeles e entrei na Ordem da SRF.

Na vida monástica, nós nos dedicamos totalmente a Deus e a nosso Guru, Paramahansa Yogananda. Empenhamo-nos por equilibrar a meditação com o serviço; assim, além de uma agenda regular de meditação diária, também temos responsabilidades de trabalho para sustentar a obra espiritual da SRF no mundo inteiro. (A Self-Realization Fellowship/Yogoda Satsanga Society of India tem, em todo o mundo, mais de 800 templos e centros espalhados em mais de 80 países.)
A vida monástica tem suas vantagens, entre elas: nosso amor é dedicado somente para Deus, vivemos na campanhia de almas afins e nossa vida cotidiana é totalmente livre de distrações mundanas. É claro que cada devoto – esteja ou não num mosteiro – deve empenhar-se por viver uma vida espiritualmente equilibrada e buscar a campanhia de almas afins. Um vídeo inspirador sobre a vida monástica está disponível no nosso website, em https://yogananda.org/self-realization-fellowship-monastic-order.

Qual é a importância da vida e da obra de Paramahansa Yogananda para as pessoas de hoje?

Apresentamos a seguir uma entrevista com Irmão Brahmananda, monge de longa data da Ordem da Self-Realization Fellowship, que fala de sua própria jornada espiritual e compartilha suas percepções sobre o comentário de Yogananda ao Gita. (Deus Fala com Arjuna: O Bhagavad Gita. Self-Realization Fellowship, Los Angeles, Califórnia. Excertos reproduzidos mediante permissão.) Para obter mais informações a respeito de Paramahansa Yogananda e da Self-Realization Fellowship, visite www.yogananda.org. Para adquirir Deus Fala com Arjuna e outros livros da SRF em português, visite http://www.omnisciencia.com.br.

Paramahansaji é tanto um guru universal quanto um guru pessoal. Seus ensinamentos mostram à humanidade tanto a necessidade de a pessoa experimentar sua unidade com Deus quanto os meios pelos quais isto pode ser alcançado. Neste mundo confuso e de aparente ausência de significado, Paramahansaji oferece uma visão extremamente positiva sobre o propósito da vida. Ele oferece métodos para experimentarmos a realidade de Deus – um Deus de amor, um Deus de alegria –, uma visão e uma prática livres de dogmas e alinhadas com as maiores descobertas científicas.

Para aqueles que levam a sério o caminho espiritual, Yogananda oferece um caminho de discipulado sob uma linhagem de mestres Autorrealizados – os Gurus da SRF, os quais ele descreve em seu livro Autobiografia de um Iogue. Ele promete que se alguém seguir este caminho com total comprometimento e devoção, poderá encontrar Deus nesta vida, particularmente pela prática da Kriya Yoga. Yogananda nos diz que a ciência da yoga nos leva até a porta de Deus e o nosso amor nos faz entrar por essa porta. Assim, o caminho de Kriya Yoga não é uma ciência árida; é uma abordagem racional que também requer devoção.

Qual é o significado por trás da grande batalha descrita no Bhagavad Gita?

O Bhagavad Gita é uma alegoria espiritual a respeito da batalha entre a alma e o ego, inserida no contexto de um acontecimento histórico: a guerra de Kurukshetra. O significado literal do título é “Cântico do Espírito”. Ele narra o diálogo entre o grande guerreiro Arjuna e o Senhor Krishna, que está atuando como seu cocheiro; eles são colocados entre os dois exércitos oponentes. Em seu comentário ao Gita, Deus Fala com Arjuna, Paramahansa Yogananda escreveu o seguinte:

“As palavras do Senhor Krishna para Arjuna no Bhagavad Gita são, ao mesmo tempo, uma escritura profunda da ciência da yoga, união com Deus, e um livro de ensino para a vida diária. Com Arjuna o estudante é levado, passo a passo, da consciência mortal de dúvida espiritual e pusilanimidade até à sintonia divina e à determinação interior. (…) A essência sublime do Bhagavad Gita é que a ação correta, a ausência de apego ao mundo e aos prazeres dos sentidos e a união com Deus pela yoga suprema da meditação de pranayama, aprendida de um guru iluminado, constituem a estrada real para alcançar Deus.

“A técnica de Kriya Yoga, ensinada por Krishna a Arjuna e referida no versículo 29 do Capítulo IV e nos versículos 27-28 do Capítulo V, é a suprema ciência espiritual da meditação iogue.”

O que representa para o aspirante espiritual o desalento de Arjuna?

Conforme explica Paramahansaji, o desânimo de Arjuna representa aquela etapa na vida espiritual do devoto em que ele acha que seus esforços na meditação não o levaram a lugar nenhum – ele não percebe resultados nem qualquer progresso. E desde que seu comprometimento com a espiritualidade o levou a abandonar os prazeres dos sentidos sem que encontrasse alegrias espirituais que os substituíssem, ele é tentado a desistir de tudo. O primeiro capítulo de Deus Fala com Arjuna termina com estas palavras:

“Se os devotos não progridem é porque descartam as armas do autocontrole; um devoto desanimado costuma desistir de toda a autodisciplina quando não alcança conquistas espetaculares no caminho espiritual. Ele não medita, evita sua instrução espiritual (instrutor ou lições) e se perde com a mente na obscuridade da indiferença espiritual, em que só há um vislumbre ocasional da percepção intuitiva. Esse estado mental apático deve ser tratado com meditação regular e discernimento constante contra os falsos argumentos da mente sensorial. Enquanto o devoto se empenha em sintonizar-se com a orientação e a graça do Cocheiro Divino que (…) vem em seu auxílio, tudo está longe de ser perdido.”

Qual é a similaridade entre os Evangelhos cristãos e o Bhagavad Gita?

Ambas as escrituras apresentam a pessoa e os ensinamentos de um avatar mundial que era e continua sendo unificado com a “consciência de Cristo” ou a “consciência de Krishna” – aquele aspecto do Espírito que Paramahansaji chamou de Kutastha ou Inteligência Crística (“o Filho unigênito de Deus”) que permeia o cosmos inteiro e representa uma parte da Santíssima Trindade: Om, Tat, Sat; ou Pai, Filho e Espírito Santo. Como tais, tanto Krishna quanto Jesus representam culturalmente, para grandes populações atuais, a Inteligência Cósmica do Espírito – Tat (em sânscrito) ou o Filho.

Em seu comentário aos ensinamentos originais de Jesus (A Segunda Vinda de Cristo: A ressurreição do Cristo interior), Paramahansaji escreveu: “Os princípios morais e éticos prescritos no Novo Testamento são os mesmos do Gita. A psicologia e a metafísica dessas duas escrituras, quando interpretadas corretamente, também coincidem em todos os aspectos.”
Tanto os Evangelhos do Novo Testamento quanto o Bhagavad Gita ensinam ao devoto como descobrir “o reino de Deus que está dentro de vós”, a ciência da realização divina.

Como podem as pessoas manter o equilíbrio num mundo em constante transformação?

Se a pessoa pensa que ela é um corpo físico e nada mais – condenada a morrer –, fica muito difícil ser positiva e equilibrada. Mas o ser humano não é o corpo físico; ele apenas veste um. Na verdade, ele é a alma imortal e bem-aventurada. Conhecer isto intelectualmente é muito útil. Mas conhecer isto no corpo, na mente e na alma – quer dizer, experimentar isto, é profundamente mais estabilizador.

Como vamos experimentar isto? Em primeiro lugar, pela meditação, na qual começamos a sentir profundamente a paz e a subjacente alegria, que são aspectos característicos da alma imortal. Em seguida, depois de senti-las na meditação, Paramahansaji nos estimula a levar essa paz e alegria para a nossa vida de atividade. É claro que para ter paz e alegria também é essencial viver corretamente. Seria impossível ter equilíbrio interior se a pessoa escolhe levar uma vida totalmente egocêntrica e egoísta. Os ensinamentos de Paramahansa Yogananda incluem um grande material sobre como viver de acordo com os princípios espirituais universais.

Neste caminho da Self-Realization Fellowship, temos a oportunidade, por meio de nossos esforços espirituais e, especialmente, da prática de Kriya Yoga, para descobrir e experimentar quem nós verdadeiramente somos.


Comments

comments